Rádio Beatitudes

sábado, 11 de maio de 2013

Abismo atrai abismo

A vida humana tem valor infinito. Cada ser humano carrega, em si, a humanidade inteira. À medida que o tempo passa, contudo, vamos perdendo potencialidades; quem poderia tornar-se campeão de ginástica olímpica aos 3 anos de idade não tem mais essa possibilidade aos 30. Cada criança carrega em si mesma a potencialidade de toda a espécie humana. Ela pode vir a ser um gênio, um artista, um santo, um rei. É um pouco por isso que nos percebemos incapazes de ver um bebê sem sorrir, de ouvir uma risada de criança sem nos alegrarmos com ela.

O mesmo vale com sinal trocado: nada é mais entristecedor que a morte de uma criança. É por isso que os ativistas pró-aborto procuram esconder a realidade do que pregam; é por isso que antipatizam tanto com o ultrassom, que permite ver o bebê ainda no ventre da mãe.

Os aborteiros, contudo, convivem cotidianamente com a realidade do morticínio de inocentes, e logo perdem o pejo. Nos EUA, onde o aborto é permitido por lei, está sendo julgado por infanticídio e pela morte de uma paciente o Dr. Kermit Gosnell, especializado em abortos tardios, de bebês de 7, 8 ou 9 meses. Bebês prontos para nascer e mamar, ir para casa e passear de carrinho.

Para poupar tempo e veneno, o Dr. Kermit desenvolveu um método diferente. Em vez de injetar veneno no coração da criança e depois tirar o cadáver da barriga da mãe aos pedaços, como seria o procedimento padrão, ele preferia induzir o parto e cortar, com uma tesoura, a coluna da criança, deixando-a para morrer numa bandeja. Como eram muitos os “pacientes”, era uma verdadeira linha de montagem da morte; alguns bebês chegavam a ficar chorando dez ou vinte minutos antes da tesourada mortal.

No escritório dele, uma coleção de centenas de mãozinhas e pezinhos de bebês em formol servia de decoração. Cadáveres de nenéns jaziam na geladeira com a comida dos funcionários, e entupiam os vasos sanitários.

É, como o Gulag e Auschwitz, uma antevisão do inferno. Mas é apenas a consequência natural da perda de sensibilidade que fatalmente acomete quem se dedica à morte como ofício. Matar alguém é morrer um pouco; é matar um pouco da própria alma. Todo carrasco se torna um monstro, e um carrasco de crianças é tão mais monstruoso quanto maiores são as potencialidades que corta pela raiz, como uma tesoura corta o pescoço de um bebê.

Parece bonito falar de “escolha” e de “direitos reprodutivos”, escondendo-se a realidade da morte. Quando ela chega, contudo, cessam os eufemismos. Abismo atrai abismo.


Autor: Carlos Ramalhete
 CARLOSGAZETA@HSJONLINE.COM

O Meu País


Um país que crianças elimina;
E não ouve o clamor dos esquecidos;
Onde nunca os humildes são ouvidos;
E uma elite sem Deus é que domina;
Que permite um estupro em cada esquina;
E a certeza da dúvida infeliz;
Onde quem tem razão passa a servis;
E maltratam o negro e a mulher;
Pode ser o país de quem quiser;
Mas não é, com certeza, o meu país.

Um país onde as leis são descartáveis;
Por ausência de códigos corretos;
Com noventa milhões de analfabetos;
E multidão maior de miseráveis;
Um país onde os homens confiáveis não têm voz,
Não têm vez,
Nem diretriz;
Mas corruptos têm voz,
Têm vez,
Têm bis,
E o respaldo de um estímulo incomum;
Pode ser o país de qualquer um;
Mas não é, com certeza, o meu país.

Um país que os seus índios discrimina;
E a Ciência e a Arte não respeita;
Um país que ainda morre de maleita, por atraso geral da Medicina;
Um país onde a Escola não ensina;
E o Hospital não dispõe de Raios X;
Onde o povo da vila só é feliz;
Quando tem água de chuva e luz de sol;
Pode ser o país do futebol;
Mas não é, com certeza, o meu país!

Um país que é doente;
Não se cura;
Quer ficar sempre no terceiro mundo;
Que do poço fatal chegou ao fundo;
Sem saber emergir da noite escura;
Um país que perdeu a compostura;
Atendendo a políticos sutis;
Que dividem o Brasil em mil brasis;
Para melhor assaltar, de ponta a ponta;
Pode ser um país de faz de conta;
Mas não é, com certeza, o meu país!

Um país que perdeu a identidade;
Sepultou o idioma Português;
Aprendeu a falar pornô e Inglês;
Aderindo à global vulgaridade;
Um país que não tem capacidade;
De saber o que pensa e o que diz;
E não sabe curar a cicatriz;
Desse povo tão bom que vive mal;
Pode ser o país do carnaval;
Mas não é, com certeza, o meu país!

Autor: João de Almeida Neto